Radio Liberdade

Pombal, 24 de outubro de 2017 - 09:11

Publicidade



  • Radio Liberdade
  • Radio Liberdade

Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba emite nota lamentando ocorrido com Dagvan Formiga

Publicado em 19.03.2017
Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba emite nota lamentando ocorrido com Dagvan Formiga

Após a tentativa de assalto frustrada contra o oficial de justiça Dagvan Monteiro Formiga, fato acontecido na tarde da última sexta-feira (17), o Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba (Sindojus-PB) lamentou o ocorrido.

Em nota, que também foi direcionada a redação do Portal Liberdade PB, a entidade fez referência à violência à qual os profissionais estão expostos e destacou que a vítima dava cumprimento a mandados judiciais no momento em que o fato aconteceu.

“Apesar de a violência urbana ser uma realidade, o trabalho dos Oficiais de Justiça os expõem a um grau diferenciado de risco, por terem de realizar uma missão estatal diretamente vinculada a segurança pública, sem poder portar arma para defesa pessoal, sozinhos, sem coletes à prova de balas e em seus veículos particulares”, afirma o diretor-secretário da entidade, Joselito Bandeira.

A nota também informa que o Sindojus-PB vai acompanhar de perto todas as fases de investigação e processo judicial contra os criminosos e provocar mais uma vez o TJPB para que adote medidas que minimizem os riscos destes profissionais. Além disso, vai continuar a defender, junto ao Congresso Nacional e aos parlamentares da Paraíba, a aprovação do Projeto de Lei da Câmara nº 30/2007, que garante ao oficial de justiça o direito ao porte de armas para defesa pessoal.

Dagvan Formiga foi baleado numa área rural de Pombal, quando foi abordado por dois elementos sendo um deles menor.

Na ocasião seguia em sua motocicleta e por não atender a ordem de parada dos dois foi atingido por um disparo de raspão na altura do pescoço.

Um dos acusados, um adolescente de 15 anos foi apreendido pela polícia, já o outro continua foragido após praticar a ação criminosa.

Marcelino Neto

comentários